O que é empreendedorismo?
Empreendedorismo

O que é empreendedorismo?

O que é empreendedorismo: definição, formas, exemplos | Num mundo em que o mercado de trabalho está em constante evolução, o emprego assalariado é cada vez mais visto como um modelo demasiado rígido que impediria os trabalhadores de expressar todo o seu potencial. É neste contexto que o empreendedorismo surge como caminho para a emancipação, um caminho que, por outro lado, não é tão difícil assim.

O que é empreendedorismo?

Empreendedorismo refere-se ao fato de realizar uma atividade da qual você mesmo é o iniciador, como mostra seu significado etimológico. O dicionário indica sinônimos como iniciar, tentar, se envolver no verbo empreender. Três verbos de ação que definem perfeitamente o significado veiculado por este termo.

Com efeito, como iniciador de projetos, é graças ao plano de ação do empresário que a atividade pode começar e avançar. É também quem corre mais riscos ao iniciar uma atividade onde a única garantia é a sua criatividade.

Empreendedorismo também significa envolver-se, tanto com os parceiros, assegurando-lhes que o projeto em curso é uma boa ideia, como com os colaboradores, convencendo-os de que a sustentabilidade da empresa lhes proporcionará estabilidade nas suas funções e garante-lhes um desenvolvimento de carreira.

Além de tudo isso, o empreendedorismo é definido como a capacidade de criar valor agregado a partir de recursos limitados, de explorá-los para poder responder a uma demanda expressa pelos consumidores.

Quem pode empreender?

A ideia de se tornar um empreendedor muitas vezes parece um sonho, um objetivo final para alguns. Que ideia atraente, de fato, ganhar a vida com uma atividade que você mesmo criou.

Muitos brasileiros são convencidos a cada ano e tentam a aventura pensando que encontraram o conceito certo para criar suas startups. Mas o empreendedorismo é uma profissão em si que requer qualidades e habilidades profissionais bem definidas.

• Criatividade: O empreendedor deve ser capaz de inovar constantemente de forma a promover a atividade da sua empresa e manter-se competitivo face à concorrência
• Rigor: Ele também deve ser rigoroso para poder organizar e gerenciar sua equipe.
• Humildade: deve ter a distância necessária e ser capaz de se questionar
• Autoconfiança: Sendo o garante da imagem da empresa, deve mostrar confiança e ser o primeiro a acreditar no sucesso da sua empresa
• Liderança: Ele deve ser um bom líder, ter uma força persuasiva e fazer com que as pessoas ao seu redor adiram às suas ideias.

Qual a direção para se tornar um empresário?

Em geral, os líderes empresariais concordam que ter um ensino superior nas grandes écoles é uma vantagem considerável e promove o sucesso de um empresário. Muitos destes últimos oferecem diversos cursos de formação com o objetivo de formar futuros gestores que poderão ser os empresários de amanhã.

Gestores que receberam esta formação puderam aprender a fazer um estudo de mercado, gerir um orçamento, construir um plano de negócios e aprender como funcionam as grandes empresas através de estágio ou treinamento trabalho-estudo. Obviamente, conclua o treinamento para prepará-los para assumir a função de gerente de negócios posteriormente.

Alguns institutos são mais famosos do que outros quando se trata desses cursos de treinamento. De acordo com o ranking The Economist dos melhores mestres em gestão.

Quais são as diferentes formas de empreendedorismo?

• Criação ex nihilo : Ex nihilo é uma expressão latina que significa “do nada”. Em outras palavras, uma criação pura. Criar um negócio quando nada existe não é uma situação fácil, até porque será necessário enfrentar as barreiras de entrada no mercado e ter paciência antes de poder implementar seu produto, conquistar consumidores, mas também para convence-los, e possíveis parceiros do projeto (pesquisadores, investidores, colaboradores).

Como resultado, o grau de inovação necessário é maior e também a tomada de riscos. O plano de negócios para este tipo de criação também deve ser concreto e ser complementado com diversos estudos preditivos, principalmente no nível financeiro para que o projeto seja viável.

  • Aquisição de empresas: A aquisição de uma empresa ou atividade apresenta uma grande diferença com a criação de uma empresa. A organização existe, não precisa ser criada. Se existe, então é possível contar com dados que o descrevem em seu presente, sua história, sua estrutura e seu funcionamento. Nessas condições, a incerteza é geralmente menor e os níveis de risco muito menores. Tal como acontece com a criação de uma empresa, a aquisição pode ser realizada por um indivíduo por sua própria conta ou por uma empresa já existente. Pelo menos dois casos de aquisição de empresas podem ser examinados:

 

  • A retomada dos negócios ou atividades com boa saúde: Identificar uma empresa posta à venda em plena atividade seria como topar com uma mina de ouro, ou seja, uma situação muito rara, mas provável. Este é o cenário ideal para um empresário com recursos para adquirir tal negócio. Além disso, nem é preciso dizer que se trata de uma criação ex nihilo ou de uma recuperação, seria preferível já ter beneficiado de uma experiência convincente de gestão. Também é essencial dominar o setor de atividade da empresa a adquirir. É aconselhável, de fato, não perder muito tempo aprendendo a profissão de administrador de empresas.

 

  • A aquisição de uma empresa ou atividade em dificuldade: Neste caso, é imprescindível precisar que, quando a sociedade se encontra em situação de falência, é imprescindível conhecer o regime jurídico da incorporação da sociedade a assumir. Também é aconselhável ter relacionamentos com os principais atores desse ambiente. O custo de aquisição das empresas que se encontram nesta situação é naturalmente muito mais acessível do que aquelas em dificuldade, o que pode parecer uma vantagem, por outro lado deve-se ter em conta que muitas vezes requerem uma recapitalizarão financeira muito forte. Assumir uma empresa em dificuldades também requer um bom conhecimento das situações de crise.

 

  • Intraempreendedoríssimo: O termo intraempreendedoríssimo aparece pela primeira vez em um escrito de autoria de Gifford Pinchot III e Elizabeth Pinchot. Este termo designa a criação ou desenvolvimento de uma nova atividade dentro da mesma empresa, missão que muitas vezes cabe aos executivos desta última. O intraempreendedoríssimo pode assumir a forma de uma filial ou, frequentemente, uma relocação para o exterior.

 

  • Enxame ou extra empreendedorismo: Designando em seu sentido original, um fenômeno observado dentro de uma colmeia, quando uma parte das abelhas deixa a colmeia com uma rainha para formar uma nova colônia, o termo enxameação foi estendido por todo o mundo empresas. Swarming é usado para designar um acompanhamento para a saída de seus funcionários por uma empresa, ajudando-os a criar suas próprias atividades. É um fenômeno observado na maioria das vezes dentro das empresas no modo de novas tecnologias de informação. Esta forma de criação de negócios gera 10 vezes mais spin-offs na criação de empregos do que uma licença concedida a uma empresa existente para lançar um novo produto no mercado.

 

  • Auto empreendedorismo: Criado em 2008, o status de auto empreendedor é um regime de autônomo acessível a todos, seja como parte de uma atividade principal ou secundária. A principal vantagem deste regime reside na simplificação de todos os procedimentos administrativos a seguir como empresário. A nível financeiro, este regime permite também a redução dos encargos sociais, porque, em vez de todas as contribuições sociais, deve ser pago um único pagamento aos organismos competentes na proporção do volume de negócios.

 

  • Empreendedorismo social: O princípio básico aqui é a criação de empresas cuja atividade econômica foi concebida de forma a criar “valor social”, para implementar soluções inovadoras para os problemas sociais no domínio da criação de. ‘empregos, desenvolvimento sustentável, meio ambiente, saúde ou qualquer atividade que possa beneficiar a sociedade. Empresas de microcrédito, como o Grameen Bank de Mohamed Yunus, são um bom exemplo.

 

  • Empreendedorismo público: As empresas públicas e os vários estabelecimentos governamentais a nível nacional, provincial ou local, orientados para o serviço dos cidadãos, constituem a maior parte do empreendedorismo público. Contribuem para a criação de recursos coletivos necessários ao desenvolvimento econômico.

Agora que você sabe o que é empreendedorismo, não perca o seu tempo e comece a criar valor para as pessoas a sua volta.

Como Encontrar uma Faxineira